• Levi Soares

Guia de sobrevivência para tempos de isolamento social

Atualizado: Abr 8



De repente você está preso em casa, seja sozinho, com familiares ou algum amigo com quem divide o aluguel – e as únicas vezes em que você sai de casa são nas idas ao supermercado. Neste guia lhe ajudaremos a passar por tudo isto!

Isolamento social. Esta palavra por si só já desperta um certo medo. Significa que você deve ficar longe da maioria das pessoas. Significa que você deve evitar os lugares que costumava ir. Não é uma situação fácil de se lidar.


Em nosso mundo cada vez mais agitado e hiperconectado, o isolamento social se torna ainda mais difícil para a maioria das pessoas. Afinal, sabemos que o homem é um ser social, e o contato com o outro é um elemento importante de sua vida.


Por tudo isto, sabemos que este momento de isolamento social pode trazer problemas psicológicos bem desagradáveis. Afinal, é um período que deve vir acompanhado de uma boa dose de estresse e angústia. Mas calma, isto não é motivo para entrar em pânico! Preparamos este material justamente para te ajudar a lidar com tudo isto!


Quem é mais vulnerável a este tipo de problema? Segundo o DSM V (2014), alguns grupos são mais susceptíveis ao estresse... são eles:


  • A faixa etária entre 16 e 24 anos.

  • Mulheres costumam ser mais afetadas.

  • Pacientes com histórico de transtornos mentais.

  • Pessoas que trabalham com saúde ou cuidando de outras pessoas.

E quais são as principais reações emocionais ao isolamento social?


  • Medo e Ansiedade: a maioria das pessoas se preocupa com o corona vírus, e isto em geral é algo normal, afinal, é uma doença extremamente contagiosa e todos esperam que este período de isolamento social termine o mais rápido possível. Contudo, as vezes esta preocupação pode se transformar numa verdadeira obsessão! É importante estar atento aos exageros e lembrar que a ansiedade neste período é bastante comum.

  • Tristeza e tédio: como já dissemos, a maioria das pessoas não está acostumada a ficar em casa por tanto tempo, e nem todos se adaptam bem a esta nova situação. Afinal, não podemos mais sair para espairecer ou nos divertir. É esperado que surjam sentimentos de desânimo e tédio, e é importante estar atento para que eles não se transformem em algo mais sério.

  • Raiva e irritação: estas são reações bem comuns a quaisquer condições de estresse, e não seria diferente em relação ao isolamento social. Esta agressividade pode ser direcionada para pessoas próximas, para estranhos (como aquele senhor que comprou o último frasco de álcool em gel na farmácia) ou mesmo para as autoridades que declararam a quarentena.


Mas quais são as soluções? Afinal, foi por isto que você chegou a este guia!

  • Saber o que está acontecendo com você e que isso é estressante! Pode parecer óbvio, mas é importante lembrar.

  • Mantenha com as pessoas que você gosta, crie o hábito de ligar ou fazer vídeo-chamadas com parentes e amigos próximos. Isto com certeza vai lhe ajudar a lidar melhor com sentimentos de solidão e a sentir-se mais acolhido.

  • Veja o lado bom, afinal, trabalhar em casa pode ser algo mais confortável e passar mais tempo com seus filhos pode ser uma experiência prazerosa.

  • Se arrume ou se maquie de vez em quando, afinal, cuidar de nossa aparência aumenta nossa autoconfiança!

  • Faça exercícios físicos na sua casa, afinal, está é uma forma de se sentir disposto e de mandar um pouco de serotonina, o hormônio da felicidade, para o cérebro!

  • E não esqueça de tentar praticar exercícios de respiração, eles ajudam bastante no controle do nervosismo (e nós já falamos sobre eles em uma postagem sobre transtorno de ansiedade generalizada, para lembrar é só clicar aqui!)

  • Pegue mais leve com os outros e com também consigo! Seja gentil e tente manter uma atmosfera harmoniosa, tanto por dentro como por fora!

  • Compartilhe lembranças boas com as pessoas que você gosta! É uma boa hora pra mexer naqueles álbuns antigos e resgatar aquelas fotos antigas!

  • Mantenha o bom humor! O riso é uma das armas que temos para enfrentar o sofrimento!

  • Reveja suas expectativas. É importante ter em mente que a frustração as vezes está ligada a metas ou objetivos irrealistas. Por isto, crie menos expectativas!

  • Dê um tempo nas notícias! Você não precisa estar procurando a toda hora por novidades. Informe-se como necessário, sem neura nem complicação!

  • Aproveite este momento para resgatar as coisas que te dão prazer! Ouvir aquela música que te alegra, praticar aquele hobby há muito tempo esquecido, enfim, lembrar das coisas que realmente te alegram!


Naturalmente, esta não é uma solução mágica. Contudo, esperamos que estas dicas possam ajudar para que este período de isolamento social não seja tão difícil quanto se imaginava! E, case precise em algum momento falar com a gente, estamos aqui para ajudar.



Referências

American Psychiatric Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5ª Edição. Porto Alegre: Artmed, 2014.

19 visualizações

Atenção: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento

imediato para pessoas em crise suicida.
Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br.

Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.

Copyright © 2019 Sentidos Psicologia - Todos os direitos reservados.